Concessionários de Automóveis: A realidade após a Reabertura

O mercado automóvel está a enfrentar sérios desafios, no enquadramento da epidemia COVID19 em todo mundo. Desde logo pelo encerramento de fábricas e linhas de produção, dificuldades dos importadores que a nível nacional tiveram que recorrer ao layoff de muitos postos de trabalho e as Marcas que se enfrentaram com o encerramento das Concessões.

A Associação Automóvel de Portugal (ACAP) afirma que o setor automóvel é “um dos mais afetados”, registando quebras de 80% no mercado de ligeiros de passageiros, e exige plano de apoio do Estado.

A queda registada, segundo a mesma fonte, representa no mês de Abril, uma perda estimada de 30 milhões para o Estado, sem contar com as receitas de IVA.

A ACAP propõe as medidas de incentivo ao abate, que serão acompanhadas pelas marcas e que levarão à renovação da frota automóvel a preços mais atrativos para o Consumidor.

Ninguém estava preparado para a esta nova crise, em nada equiparável a 2012, e desde logo para esta Epidemia que tantos desafios representa: Desde logo a morte e a vida! Os fabricantes estão cheios com viaturas em stock, que representa um custo demasiado elevado. O setor já não conta com o escoamento através das empresas de rent-a-car, devido ao impato fulcral no Turismo desta epidemia, nem das empresas de Leasing, que apresentam a vantagem de não haver buy back face ao renting, e que devido à paragem de políticas de renovação de frotas das empresas, também estão a sofrer este impacto nas suas finanças. A política de preços e Campanhas específicas poderão ser aplicadas, mas no geral as marcas não irão anunciar e aplicar “Campanhas Bombásticas” que representariam um suícidio financeiro.

Neste contexto, perguntamos então às Equipas de Vendas de todas as Marcas a nível Nacional, qual o imapacto sentido na afluência de Consumidores Particulares para adquirirem uma viatura nova, após a sua reabertura. Estávamos curiosos, e note-se que se tratou de uma sondagem, não de um Estudo, o que significa que poderemos analisar tendências mas que não poderemos tirar conclusões. Segundo esta sondagem:

Das 74 respostas que recebemos, apenas 2% não observou nenhuma diferença face à atividade normal, mantendo o mesmo número de Visitantes Particulares ao Concessionário.

Colocada a questão da afluência de visitantes às Concessões após a abertura, houve 7 pessoas que não responderam, conduzindo o número de respostas para 67.

É notória a diminuição da afluência de Consumidores às Concessões. Nos últimos dias, na maior parte dos casos, entram 1 a 5 pessoas nas Concessões, o que diminui em muito a taxa de afluência de Consumidores particulares às Concessões.

O problema está detetado, quantificado por dados mensuráveis e confirmado por tendências, questionáveis, mas que demonstram a realidade de cada Concessão.

Dicas e Conselhos? Não há fórmulas mágicas mas não perca a próxima publicação, onde publicaremos as nossas sugestões e opinião de diversas questões levantadas nesta publicação. Porque juntos seremos mais fortes!!

Rita Araújo

Impacto do COVID19 na afluência de consumidores aos Concessionários Automóveis

O meu nome é Rita Araújo.

Além de o convidar a visitar o nosso website em

 https://rvaconsulting.pt

agradecia que respondesse a 3 questões de escolha múltipla, sobre o impato do Covid19 na afluência às Concessões.

Este questionário é anónimo e contempla as marcas comercializadas em Portugal, pois pretende-se um panorama nacional, valorável depois, para cada uma das concessões: 

https://pt.surveymonkey.com/r/2CB8XYN

Os resultados serão posteriormente divulgados.

Obrigado

Rita Araújo

SAVE THE DATE, 11 Maio, 08h30m

SAVE THE DATE, 11 Maio, 08h30m
Para começar a sua Segunda-Feira de uma forma diferente! 

A RVA Consulting às 08h30m transmitirá um video, que poderá aceder através do link:
 https://youtu.be/uurHIR93jS0
no qual nos apresentaremos e divulgaremos os nossos serviços, muito embora que, saibamos que através da apresentação geral implementemos sempre, a personalização de cada projeto adequado às necessidades de cada futuro Cliente.
Curso On-Line Breve Introdução ao Marketing Digital 

Simultaneamente, poderá aceder gratuitamente ao Curso através do Canal de Youtube, ou de uma forma mais simplificada através do nosso site em:
 https://rvaconsulting.pt/cursos-on-line/
e onde poderá também descarregar o respetivo e-book. 

SAVE THE DATE, 11st MAY, 08h30m (GMT)

Para começar a sua Segunda-Feira de uma forma diferente!

A RVA Consulting é um projeto posto em prática após a minha saída da DEKRA. Somos uma equipa multidisciplinar e contamos com Parcerias estabelecidas e novos Parceiros para que junto dos nossos futuros Clientes consigamos uma relação de parceria de excelência com altos padrões de qualidade.
O que fazemos?
Dia 11, às 08h30m será transmitido um video, ao qual enviaremos o link previamente, no qual nos apresentaremos e divulgaremos os nossos serviços, muito embora que, saibamos que através da apresentação geral implementemos sempre, a personalização de cada projeto adequado às necessidades de cada futuro Cliente.https://youtu.be/yCiHZejKzBQ
E uma surpresa….
Como oferta de boas vindas preparamos para si um Curso Grátis, de “Olá” ao Marketing Digital, que poderá aceder livremente e descarregar gratuitamente o respetivo e-book. Até Breve,
Rita Araújo 
RVA Consulting, Lisboa, Lisboa, Lisboa

Pricing: Hoje fomos às compras….

Todas as semanas, ou dias específicos existem campanhas determinadas para alguns artigos de Consumo, com a sua divulgação em folhetos, email marketing, sms,…. Mas será que essas campanhas são efetivas e representam vantagens para o Consumidor e para a Marca?

Analisemos o preço de um produto associado a uma campanha. Como Consumidor teremos que contabilizar o Custo de Deslocação, o tempo dispendido na fila de espera para entrar no Ponto de Venda, bem como o tempo de Compra. Ou por sua vez, teremos de contabilizar o Tempo de Encomenda face à velocidade do site ou App, Custo de Entrega e Prazos de Entrega. Mas será que as Campanhas online correspondem às Campanhas no Ponto de Venda?? Nem sempre.. Existem Campanhas de preço exclusivas on-line. Em alguns pontos de Venda as Campanhas não estavam anunciadas no preço de compra, mas a Campanha foi refletida no talão final de compra.

Como provedor é necessário contabilizar e medir o impacto da campanha, afluência às lojas e site, bem como aumento de faturação pela alavancagem também de outros produtos. Estarão todos os pontos de venda a divulgar as Campanhas pré-definidas?

Sabe como está efetivamente a posicionar-se no mercado? Sabe os prazos e custos de entrega dos seus concorrentes? Tem a certeza que determinado produto é sensivel à alteração de preço por parte dos Consumidores e que justifica uma Campanha Preço? Estão todos os Pontos de Venda a divulgar as Campanhas de pricing em vigor?

Paramos para tomar café. Café adquirido num copo de plástico, com colher de plástico, ao mesmo preço que habitualmente custava. Não nos foi sugerido nenhum produto para acompanhar o café, nem uma promoção de up-selling. Olhamos para o Menú do dia, agora em formato Take Away, disponibilizado em caixas de plástico, ao mesmo preço do habitual, onde já sabemos que o desafio do Menú do dia é equilibrar Preço/Qualidade devido às margens de lucro das mesmas. Ficamos intrigados…..

Seguimos para a Farmácia. Ao nosso lado uma senhora confirma que não quer aviar a receita com o marca habitual, mas que prefere um genérico. Genérico esse diferente do que ela experimentou porque lhe dava dores de cabeça. Neste momento não pode comprar o medicamento original… Sugere ainda a compra de Paracetamol para aliviar as dores de cabeça que previa. Obviamente esta conversa foi conduzida por um especialista farmacêutico e teve um desfecho apropriado…

Ficamos a pensar… Estarão as seguradoras a promover eficazmente a cobertura de apoio à aquisição de medicamentos com receita médica???

Acabar o dia sem comprar um carro novo? Nem pensar!!! Após termos recebido via redes sociais, email marketing e sms condições únicas de aquisição, a oportunidade não poderia esperar. Após termos configurado a nossa viatura e termos solicitado mais informações, obtivemos uma resposta da Marca/Concessão de contato apenas por alguns. Fomos também levados a adquirir um automóvel que se encontrasse em stock, uma vez que algumas fábricas estavam fechadas, retardando, além do transporte a entrega da viatura. As condições de venda diferiram entre marca, mediante as promoções estabelecidas, mas também entre Concessões da mesma marca.

Será o valor final de uma Proposta a melhor Proposta? Estarão os Consultores Comerciais a valorizar uma proposta agregada, como por exemplo o valor final do contrato face às condições de financiamento? Não, decididamente na nossa amostra, não! Nem tão pouco os serviços e vantagens agregados à Proposta são mensuráveis e valorizados.

Estará a sua comunicação a ser efetiva? A estratégia pricing trás efetivamente benefícios para o Consumior e Ponto de Venda? Está a ser mais competitivo adoptando uma estratégia de pricing que os seus concorrentes?

Complicado?! A RVA Consulting numa relação de parceria, consegue responder a estas questões e ajudá-lo a posicionar-se numa posição competitiva no mercado, bem como numa comunicação efetiva com os Consumidores. Pricing? Apenas uma das principais ferramentas.

Rita Araújo

Está a ser eficiente no Serviço de Entregas ao domicílio?

Em tempo de Declaração de Estado de Emergência e Confinação ao Domicílio de cada um de nós, esta questão torna-se pertinente, na medida em que o Consumidor está cada vez mais exigente.

As ofertas são largas em todos os sectores, bem como os prazos de entrega e respetivos custos. Mas será que a sua estratégia está a ser bem sucedida em detrimento dos seus Concorrentes?

No ramo editorial, a presença on-line neste momento é fulcral. Avizinha-se o tempo de preparação de Exames por parte dos Estudantes, livros de actividades para os mais pequenos, bem como os livros do Programa Ler+ obrigatórios em cada ano, mas que ainda não foram comprados. Não há neste momento a hora de almoço para nos dirigirmos a uma grande superfície e sermos os pais perfeitos, mas sim, resta-nos as encomendas on-line.

Por outro lado, e ainda neste sector, com a percentagem de trabalhadores no Desemprego e em Lay-off a aquisição de novas competências, ou pura e simplesmente ocupação de tempos livres abre uma nova jannela neste sector.

Realizamos um teste! Necessitavamos de um livro técnico e por isso encomendamos o livro on-line a uma empresa com entrega nos nossos escritórios. Custo de entrega zero e entrega via CTT em 24 horas. Perfeito!

Recebemos a confirmação de pagamento e que a nossa encomenda estava em processamento. No entanto o livro, apenas foi entregue cerca de 2 semanas após a sua encomenda! O que poderia parecer à primeira vista um caso de insucesso, transformou-se num caso de sucesso. A empresa em questão manteve-nos a par do seguimento da nossa encomenda, através de uma relação equilibrada de conteúdo e comunicação, justificando o atraso por encomenda à editora. Tratava-se afinal da segunda edição do livro em questão e através de uma comunicação personalizada, efetiva, transparente e “engagement” com o consumidor, nem sequer verificamos as restantes possibilidades e condições da concorrência. Antes pelo contrário, efetuamos uma nova encomenda com valor inferior a 10€, em que nos foi concedido o custo de entrega 0€!

Ao contrário do sucedido com as entregas de Take Away no ramo da hotelaria, a encomenda foi entregue à porta do escritório por um simpático funcionário. Porque não tivemos então de nos dirigir à porta comum do prédio, tal como aconteceu em outros sectores de mercado?

A nível de bens alimentares, está estabelecido por comunicação de grupos sociais e experiência social, que as entregas, embora pagas e com um custo dispendioso, só serão entregues no próximo mês. Mas será que é bem assim em todas as marcas operantes no mercado?

No ramo automóvel existem marcas a anunciar que pode configurar o seu modelo e versão pretendido, mas terá de consultar as viaturas em stock em Portugal. Será efetivamente uma comunicação efetiva, ou confusa?

Estamos aqui para o ajudar porque sabemos como trabalhar com as ferramentas disponíveis. Consulte-nos que através de um diagnóstico apresentaremos a solução mais efeciente para o seu negócio, no segmento de mercado que se enquadra.

Rita Araújo

Estamos prontos para nos reiventar?

Decretado um novo estado de emergência nacional, o horizonte inicia-se ambíguo frente à crise económica a superar.

Mas a economia tornada agora ponto de objetivo comum, com novas medidas e alargamento de restrições outrora impostas, está pronta para retomar a sua actividade face a uma epidemia em que a vacina nos melhores cenários se avizinha para 2021?

Estamos num momento ambíguo. O receio de deixarmos os nossos filhos na escola quando há uma semana seria impensável… O uso de máscaras obrigatórias em espaços públicos quando há duas semanas eram dispensáveis…. Mas a economia tem de avançar….

Avançaremos, como Portugueses que somos. Enfrentamos as piores crises e sempre nos aventuramos no desconhecido, sem temores mas com toda a alma de uma nação, que só quem é português a entende.

Somos destemidos, e o futuro não nos fará parar, apenas avançar com novos paradigmas. Porque nenhum de nós é igual ao que fomos até um mês atrás. Porque os modelos de negócio terão de ser readaptados, inovados e ir mais além. Poque voltamos a equalizar o valor da vida huana e condições de toda a humanidade.

A RVA Consulting destemida, nasce neste cenário. Porque temos a convição que juntos alcançaremos novos horizontes e juntos seremos mais fortes. Não temos uma fórmula mágica, mas estamos preparados com todo o nosso know-how e dedicação a encontrar soluções duradouras.

Diga-nos, o que sente nesta fase ambígua? Quais as suas projeções futuras? Em que contexto empresarial se situa o seu negócio?

Partilhando todas as dificuldades, desafios e sucessos seremos todos mais fortes, construiremos um futuro. Contem sempre com RVA Consulting como parceiro de negócio!